Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Terceiro Tempo

"Em futebol, o pior cego é o que só vê a bola." - Nelson Rodrigues

Terceiro Tempo

"Em futebol, o pior cego é o que só vê a bola." - Nelson Rodrigues

Ronnie Brunswijk, titular de um clube que é dono

04.12.21, Terceiro Tempo

          Ronnie Brunswijk subiu para a ribalta dos holofotes no mundo do futebol por um movimento... bastante peculiar. O vice-presidente do Suriname, país que se situa na parte mais a nordeste do continente da América do Sul, é dono de um clube chamado Inter Moengotapoe. Até aqui tudo bem, não seria o facto de Ronnie ter jogado como titular num jogo dos oitavos-de-final da Liga CONCACAF (competição internacional que engloba os clubes da América do Norte, Central e Caraíbas) diante do Olimpia, clube hondurenho. Provavelmente esta situação já seria caricata o suficiente, mas ainda há mais, este vice-presidente do Suriname possuí 60 (!) anos e está longe de ter uma forma física aceitável para um desporto tão exigente.

A "invejável" forma física de Ronnie Bruwswijk aos 60 anos

          A estreia, obviamente, não correu da melhor forma para Ronnie. O Inter foi goleado de forma clara por seis bolas a zero com Ronnie a disputar cerca de 55 minutos de jogo e, como não podia deixar de ser, sendo capitão de equipa. Torna-se assim, o jogador mais velho e envergar uma braçadeira de capitão num jogo oficial. Quando saio o jogo estava 3-0, terminou 6-0.

          Porém, toda a vida de Brunswijk tem muito que se lhe diga. E atenção, que ele nunca foi jogador profissional de futebol e nem sequer esteve perto de conseguir tal feito. Apenas conseguiu agora por ser dono do clube e ter um peso enorme naquele país, mas vamos voltar um pouco atrás na fita e recordar um pouco o trajeto deste "futebolista".

          O Suriname, antiga colónia dos Países Baixos, tem Brunswijk como uma das principais figuras dos últimos 40 anos daquele país, isto porque foi guarda-costas do atual presidente na década de 1980 antes de se insurgir contra o regime e criar uma guerra civil contra o ditador Desi Bouterse. Para muitos, o conflito deveu-se a quezílias entre os dois homens que se aproximaram novamente nos últimos anos.

          Quando a guerra terminou, Ronnie não conseguiu ficar longe dos holofotes e em 1999 voltou a ser notícia mundial quando um tribunal neerlandês condenou o vice-presidente do Suriname a oito anos de cadeia efetiva por tráfico de drogas, na França, no ano seguinte, também sofreu uma sentença pelo mesmo crime mas com uma pena de prisão de 10 anos. Nunca cumpriu, mesmo com um pedido internacional da Europol, isto porque para além da forte influência que possuí no Suriname, o pequeno país não tem qualquer acordo de extradição dos seus habitantes, o que fez com que Ronnie nunca cumprisse a pena em ambos os países. 

Ronnie Brunswijk não pode sair do Suriname devido a ter um mandado internacional da Europol

          Brunswijk é uma pessoa muito caricata e pouco discreta. Vem de uma família muito humilde que pouco dinheiro tinha para aguentar as necessidades básicas diárias de uma família. Membro do parlamento há 15 anos, em julho de 2020 conseguiu, com o seu amigo Chan Santokhi, ser eleito para a Assembleia Geral para governar o país da América do Sul. 

          Existem muitas histórias envolvendo este personagem. Uma das mais interessantes foi quando usava helicópteros para distribuir notas pela população mais pobre para conseguirem o que comer. Foi acusado de suborno mas o caso não seguiu em frente, o próprio justificou que «ele mesmo era pobre em criança e não ter nada para comer», por isso que lançava as notas do helicóptero. Reza ainda a lenda que possuí mais de 50 filhos e ainda tem uma mina de ouro em seu nome.

          Voltando ao futebol, após a compra do Inter por parte de Roonie, ele mesmo mudou o nome do estádio para... claro está, seu nome. Neste momento o estádio tem o nome de Ronnie Brunswijk Stadion. Após o término do jogo contra o Olimpia, Ronnie teve mais um episódio que passou em toda a comunicação social, foi visto a dirigir-se ao balneário adversário a distribuir dinheiro por todos os jogadores do Olimpia.

         Estando na lista vermelha da Europol, e com o mandato internacional que é alvo, é natural que Ronnie Brunswijk não poderá dar o seu contributo no jogo da segunda mão frente ao Olimpia, isto porque será em território Hondurenho e Ronnie não quererá arriscar uma possível extradição para um dos países que deveria cumprir pena efetiva de prisão.